sábado, 5 de agosto de 2017

B'urst


Já postei o EP Grim Machine do B'urst na lista de bons álbuns de 2016, mas acho que vale dar um destaque maior para esta ótima banda. O B'urst foi formado no fim de 2013 por um pessoal há anos envolvido no hardcore de São Paulo e do Rio, com o intuito de ser um projeto para apenas gravar uma demo e fazer alguns shows. A demo saiu no começo de 2014, e já mostrava uma banda competente fazendo um hardcore bruto e direto ao ponto, com vocais exalado fúria, influenciada pelas bandas americanas dos anos 80 de Youth Crew e NYHC, como os primórdios do Agnostic Front e Youth of Today, Urban Waste, The Abused, SFA e Warzone. 

Após o segundo show, a banda decidiu continuar e, até então, já lançou dois EPs. O primeiro em 2015, pela Criminal Rights, dos EUA, incluindo as músicas da demo com melhor produção e um cover do SFA. Em 2016 lançaram o EP Grim Machine, pelo selo italiano Assurd Recs, com quatro músicas, entre elas um cover do Urban Waste.   

A formação atual conta com Menezes (ex-Reajuste e Cooper Cobras) no vocal, Jaypee (ex-Direct Shot e atual Perception e Static Control) no baixo, Junêra (ex-Black Coffins, Bandanos e War Inside) e Pedro Carvalho (ex-I Shot Cyrus e Newspeak e atual Futuro, Modulares e Static Control) nas guitarras e e Punkids (ex-Werewolf e atual Power Abuse) na bateria. Também passaram pela banda Rafael Madeira (ex-DisXease, Pointing Finger, Critical Point e Time X) na bateria e o Breno Carollo (ex-Direct Shot e atual Perception) na guitarra. 

Eu mesmo confesso não ser grande entusiasta ou conhecedor de bandas modernas que revisitam o NYHC, que muitas vezes me soam genéricas, com um som muito metalizado ou com breakdowns demais para o meu gosto, mas o B'urst soube usar bem estes elementos e acertou em cheio e merece reconhecimento.
Para quem ainda não se liga na banda, dê uma conferida no bandcamp deles. Recomendo!

terça-feira, 13 de junho de 2017

Injúria - Demo


Banda do Rio de Janeiro, que tocava um thrashcore com algo de crossover lá pela metade dos anos 2000. Eles chamavam seu som de powerthrashvandalism. Som rápido, mas quase nada de power violence, apesar do "power".

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Preto Velho - Discografia

Preto Velho foi uma banda vinda dos terreiros de Belo Horizonte em 2001 durando até 2003. Seu som era rápido com vocais rasgados se assemelhando à bandas como Jazzus, Russian School of Ballet ou Test Ban Treaty. O som agressivo é acompanhado de letras fortes de caráter libertário e anti-capitalista, tocando em temas relevantes como repressão e violência policial, revolta, revolução, luta de classes, homofobia, religião, também criticando as chamadas bandas punk "fast food", o autoritarismo e fanatismo dentro do ativismo, a elitização da cultura e ensino escolar alienante. Em sua demo as letras das músicas são acompanhadas por explicações, coisa que enriquece e esclarece ideias e indo além do âmbito musical.

Esta discografia contém as músicas da demo, do split com os também mineiros Retrigger e a sueca Shiftplus, além de gravações ao vivo e acredito que também algumas músicas de coletâneas. As letras das músicas estão contidas no arquivo do download do bandcamp. 
Excelente banda que não deve ser esquecida. Se alguém tiver mais informações sobre a banda e seus integrantes, fale aí.

domingo, 11 de junho de 2017

Fastidio - Lista Negra

Mais uma boa banda do México, vinda de Guadalajara, que toca um punk/d-beat com vocais femininos com reverb. Lista Negra é o primeiro lançamento da banda, que saiu em cassete.

sábado, 10 de junho de 2017

Mayombe - A História Mela Sangue EP

Mayombe foi uma banda de Brasília do início dos anos 2000, vindo junto com a explosão do thrashcore no Brasil e em todo mundo neste período. Foi formada por integrantes do Terror Revolucionário, que também passaram por Innocent Kids, Possuído pelo Cão e Brutus e Lesto. O som era um thrashcore com uma pegada crust, vocais femininos rasgados, quase guturais em alguns momentos e letras sérias e políticas. 

Seu primeiro registro foi o EP Asilo, lançado pela própria banda em 2002 para uma tour que fizeram com o What Happens Next em Curitiba, sendo limitado à apenas 30 cópias. Este EP veio a ser lançando novamente em 2006, mas com o título A História Mela Sangue e nova arte, saindo pela Raw Records em uma tiragem maior, inclusive ainda se encontram algumas cópias do EP por aí.


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Psych Out - Demo

Calma, jovens, o blog ainda não morreu. Estou voltando com as postagens, sem uma periodicidade definida, mas espero não ficar tanto tempo sem atualizar.

A dica de hoje é o Psych Out, banda de Hamburgo, a qual pouco se encontra à respeito, mas seu som lembra da cena alemã dos anos 90, como Pink Flamingos, Luzifers Mob e M.V.D. Este registro foi lançado em 2016 em EP, mas trata-se de uma demo cd-r de 2002. Eles estão na ativa atualmente e também lançaram recentemente um split com a banda Deathtaker.

terça-feira, 28 de março de 2017

Alguns bons álbuns de 2016 - Parte III

Aí vai a terceira é última parte da lista.

Nothing Clean & Ona Snop Split EP
O outro split do Nothing Clean foi com o Ona Snop, de Leeds, banda que se mostrou uma ótima surpresa já em seu primeiro álbum. Contrapondo um pouco da amargura das músicas do Nothing Clean, o Ona Snop, parece ser um alívio cômico do split, com uma capa com desenhos coloridos, quanto ao som é um power violence cheio de quebras e variações de tempo executado com uma perícia que impressiona por ser uma banda estreante, embora tenha integrantes em comum com o Lugubrious Children. 

Nuclear Cult - Internal Agressor EP
Nuclear Cult é uma banda formada por veteranos da cena do hardcore rápido alemão, presentes desde as primeiras como SM-70, Pink Flamingos até Y, Solid Decline e Crack Under Pressure. Em 2016 chegaram ao seu terceiro EP e não poderiam estar de fora da lista. São 10 faixas de um hardcore extremamente rápido e de ritmo quebrado, lembrando os trabalhos do No Comment, também se assemelhando às outras bandas dos integrantes.

Odio - Un Mondo Libero Dall'uomo EP
Banda de Oakland com um integrante da italiana Holy e das italo-americanas Torso e Punch. Aqui o negócio é mais hardcore/punk/d-beat/noise com vocais ásperos com reverb. Lançaram sua demo em 2016 e também este EP. Destaque para a faixa Fabulous Horrific Beast.

Omegas - Power To Exist LP
Banda canadense que chega ao seu segundo LP, agora pela Beach Impediment Records, após 5 anos sem lançamentos de estúdio. É um hardcore punk de muita qualidade aplicado com habilidade pelos instrumentistas, com velocidade, repleto de quebras e variações de ritmo, pequenos solos, bons riffs e vocais destacados capazes de acompanhar as diversas camadas das músicas, marcando a sonoridade única desta ótima banda. 

Only Human - Demo
Mais uma banda que aparece e pouco se sabe à respeito. O que sei é que eles são da Inglaterra e tem apenas esta demo com uma sonoridade que parece uma gravação perdida de 82, 83 de alguma banda que soa como United Mutation e YDI. Som urgente e vocais desesperados. Gostei!

Pavel Chekov - How Do You Tell People You Have Emotional Baggage from the Breakup of the Soviet Union
O Pavel Chekov, do Texas, tem toda uma temática em torno do comunismo. Desde seu nome, que é baseado no personagem soviético da série Star Trek, até suas músicas e artes dos álbuns, com imagens de regimes ditos comunistas. Não sei se eles levam isto a sério mesmo, mas imagino que devam receber muitas críticas raivosas por esta sua estética "vermelha". De qualquer forma, a banda é excelente, fazendo um poderoso fastcore com influências do power violence. Infest e Charles Bronson podem ser vistos como referências para o som deles.

Postman - Ideal American EP
Segundo álbum do californiano Postman, que fica no estilo local de power violence dos anos 90, com forte influência do Infest.

Razorbumps - ... The Demo
Razorbumps é uma banda nova com apenas uma demo lançada, a qual já entra em minha lista de 2016. A demo traz um som cru, de punk garageiro com guitarra limpa, contagiante e divertido, lembrando bandas como, Liquids e Coneheads e Blobs. Também com vocais femininos, à exemplo do Blobs. Para destoar um pouco da barulheira do restante da lista.

The Repos - Poser LP
Não julgue um disco pela capa. Isto que aprendi após ouvir Poser, o mais recente LP da já lendária The Repos, pois este é fácil um dos melhores discos do ano. A banda já possui uma discografia bastante relevante e considerável e segue lançando álbuns sem deixar de evoluir. O disco, lançado pela Youth Attack, possui 16 músicas e não passa dos 12 minutos (podia ser um EP), de um hardcore sujo e rápido, com vocais agressivos, uma bateria sendo espancada sem piedade, uma base de guitarra pesada enquanto outra aplica pequenos solos roqueiros, lembrando uma mistura de Poison Idea com as bandas de Boston.

Scum Human - Self Titled EP
Fastcore/power violence de Vancouver, com integrantes do Obacha, War Hero e OSK, ou seja, o pessoal entende de tocar rápido. Seu som é como um Crossed Out com uma pegada mais fastcore. 

Scuzz - Songs of the Sordid LP
Banda de NY que surgiu à partir do fim do Anal Warhead. Seu som é um hardcore oitentista que vai lembrar algo entre Poison Idea do início com Die Kreuzen. Som muito bom e vibrante com vocais alucinados que chamam a atenção. Lançaram em 2015 em EP e um split com o Male Patterns e em 2016 este LP, que está mais do que recomendado e quase deixei passar despercebido da lista, mas com uma audição mais atenta não pude deixar este disco de fora.

Sick/Tired & Sea Of Shit Split LP
Split com duas bandas já consolidadas no cenário powerviolence/grind. Destaco principalmente o lado do Sick/Tired, com um grindcore impiedoso e sem pausas para respirar. O Sea Of Shit, manda um bom power violence com vocais desesperados, apesar de não manter tanto o peso e intensidade do outro lado do disco, o que não quer dizer que sejam músicas ruins, mas só reforça a agressão sem limites do Sick/Tired.
Bandcamp ST / SOS

Sick/Tired & Triac Split LP
Segunda aparição do Sick/Tired, desta vez no split LP com o Triac, banda que aplica um grindcore mais técnico do que eu costumo ouvir, mas bastante boa e rápida.
Bandcamp ST / Triac

Sick/Tired & Nak'ay Split EP
Para fechar a tríplice coroa do Sick/Tired, indico o split deles com o Nak'ay banda de grindcore brutal com um certo apelo ao black metal. Música bastante curtas e intensas fazendo boa companhia ao Sick/Tired, que aqui mostra alguns respingos de power violence.

Slave Birth - Self Titled EP
Duo de australiano de Canberra que estreou em 2016 com sua demo e em seguida com um EP. Eles tocam um power violence bastante direto e bruto, com algum apelo ao grindcore.

Vaaska - Futuro Primitivo EP
EP do Vaaska com seis músicas de seu hardcore/d-beat vigoroso e potente com letras em espanhol com a turma do Texas do Hatred Surge, Impalers, Criaturas e Deskonocidos e seus já emblemáticos desenhos de caveiras punks na arte do disco. Mais uma das muitas bandas americanas com vocais em espanhol, coisa que acho muito legal.

Violent Arrest - Authors Of Our Own Demise EP
Bem, já falei do Violent Arrest na lista do ano passado e não há mais muito o que dizer. Em seu novo EP, mais 6 faixas de seu tradicional hardcore old school e agressivo feito por veteranos da cena inglesa há décadas neste ramo, que não inovam seu som, mas fazem o simples e com propriedade.

War Hero - Border Control EP
Último EP do War Hero, banda de fastcore/power violence do Canadá com o pessoal que em seguida formou o Obacha e mais recentemente o Scum Human. 

Wolf Whistle - The Present Disturbance EP
A banda de Boston retorna com um EP com uma gravação crua, parecendo de um ensaio e já mais carregado de uma influência de Infest. O EP não é nada grandioso e não apresenta muito de novo, mas é um bom registro e não decepciona quem gosta do estilo.

Wound Man - Rolled EP
Wound Man foi o projeto de um cara só que acabou se tornando uma banda de quatro integrantes. Neste EP, lançado pela Iron Lung Records, constam 3 músicas, incluindo um cover de Deep Wound, mostrando sua faceta power violence, mas também o forte lado sludge, característica que foi acentuada no LP da banda. Aqui ainda se encontra a grande influência de Crossed Out em uma gravação crua de 4 canais.